falhas na gestao de vulnerabilidade

4 falhas na gestão de vulnerabilidades que sua empresa deve tratar

Conheça as principais falhas cometidas na gestão de vulnerabilidades e saiba o que fazer para que sua empresa não seja vítima de nenhuma delas!

À medida que o volume de software nas empresas cresce e seu uso explode cada vez mais, o mesmo acontece com o número de vulnerabilidades de segurança. Em 2020, o número de falhas detectadas totalizou mais de 18.335, sendo 4.380 consideradas de risco grave — e isso não inclui as falhas de segurança em todos os códigos legados em execução em sistemas em desenvolvimento na empresa.

Infelizmente, muitas vulnerabilidades permanecem abertas por semanas, meses ou até anos enquanto as organizações lutam com o gerenciamento de bugs. Mas não precisa ser assim. Aqui estão os sete erros mais comuns que as pessoas cometem ao gerenciar vulnerabilidades de código e como você pode evitá-los.

1. Não priorizar vulnerabilidades por nível de risco

Esta pode ser uma das coisas mais difíceis de entender para as equipes de segurança: você não ganha prêmios por consertar o máximo de vulnerabilidades possível. Na verdade, se você fizer isso, estará gastando energia e recursos preciosos consertando as coisas erradas.

A priorização é a chave. Quais são as vulnerabilidades que realmente representam um perigo claro e presente para sua infraestrutura, com base em seus ativos? É preciso priorizar adequadamente a correção com base no risco. Isso significa um sistema de classificação formalizado com base em variáveis como a gravidade da vulnerabilidade, a importância do software, a sensibilidade dos dados que ele contém e a sensibilidade dos sistemas que executam o software.

Dica: confiar em uma pontuação CVSS estática — que não tem contexto relevante para as ameaças reais à sua organização e ambiente específicos — não dará a você o quadro completo. A análise automatizada de acesso à rede é essencial para decidir quais patches preparar primeiro e quais hosts mais precisam ser atualizados.

2. Você depende de tecnologia antiga

Este é um problema sério e que pode inviabilizar completamente o seu processo de gerenciamento de vulnerabilidades.

Se você tem sistemas sob medida (softwares legados) que dependem de versões antigas de software comum, você ficará tentado a evitar atualizar ou corrigir esse software. Isso pode fazer com que vulnerabilidades sérias permaneçam abertas por longos períodos de tempo e aumentem drasticamente os níveis de risco para os negócios.

Atualizar sistemas sob medida é demorado e geralmente caro. Não só isso, em muitos casos as organizações simplesmente não têm uma compreensão detalhada de quais dependências elas realmente têm.

No entanto, é importante perceber que, em última análise, não importa o custo, você precisará atualizar ou corrigir o software do qual seus sistemas dependem. Isso só pode ser adiado por algum tempo antes que o nível de risco a que sua organização está exposta não seja mais aceitável.

3. Falta de estrutura — definição de objetivos, políticas e propriedade

Muitos programas de gerenciamento de vulnerabilidade falham porque não há nada que os apóie além da noção de que é “apenas algo que precisamos fazer”.

O primeiro passo para corrigir esse problema é definir metas, propriedade e políticas claras. Por quê? Porque você não quer uma posição em que a equipe de segurança culpe a equipe de TI por não remediar vulnerabilidades, e a equipe de TI responsabilize a equipe de segurança pela falta de dados. Afinal, se você não definir regras, não poderá responsabilizar ninguém por quaisquer falhas.

Portanto, procure responder às seguintes perguntas: O que você deseja alcançar com seu programa? Como cada equipe define o sucesso? O que cada equipe precisa para ter sucesso? Como as equipes garantem que outras equipes tenham sucesso dentro do programa?

4. Gestão de vulnerabilidade desarticulada

O trabalho de proteger os ativos corporativos já seria desafiador o suficiente, mesmo sem novos vetores de ataque sendo explorados por meio de aplicativos de desktop, dispositivos de propriedade dos funcionários, computação móvel e redes sociais. As listas de novos ataques parecem nunca parar de crescer.

É evidente que, à medida que as coisas ficam mais complicadas, também ficam mais difíceis de gerenciar. Muitas organizações adotam a abordagem de usar soluções distintas e autônomas para realizar os principais aspectos da gestão de vulnerabilidades: avaliação, mitigação e proteção.

No entanto, isso os deixa com uma imagem desconexa de segurança, que não é apenas mais difícil de gerenciar, mas também mais cara. A resposta é reunir as peças-chave de gerenciamento de vulnerabilidade juntas em uma única solução, para avaliar, atenuar e proteger seu ambiente, enquanto reduz o custo geral de segurança e conformidade.

A Nova8 pode te ajudar com isso! Entre em contato conosco e conheça nossas soluções para a sua gestão de vulnerabilidades.

 

Add a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *